terça-feira, 7 de abril de 2009

ACASO

.
.

Quando te vi, escrevi desejo
Com os gestos que imaginei
Saltar da tua imagem

Quando te revi, o desejo reescrevi
Com a sensualidade das palavras
Que roubei do poema

Quando te encontrei, bebi tua voz
E embriaguei meus sentidos
Para entregá-los aos teus

Quando te beijei, misturei
Teus poemas nos meus
E bendisse o acaso

Quando nos tocamos
Decerto algum deus inexistente
Existiu de verdade
E sorriu reticente
Ao ver nossos corpos
Rimando vontades

MQ

.

4 comentários:

  1. Sabe quando a poesia é só emoção...
    Essa é como uma lança que perfura,
    sangra, chega no coração!

    Linda, querido Quinan!
    Muito linda!

    ResponderExcluir
  2. Sentada
    No fundo da palavra
    Olhando para fora do livro
    As pessoas passam
    Os minutos correm
    As palavras ondulam
    E fazem algum sentido
    Mas eu
    Que não pensei em sentidos
    Sento por aqui
    E sei que há de vir
    Um lindo entardecer
    Ocaso...

    ResponderExcluir