sábado, 11 de abril de 2009

ENTREATOS - Diagnóstico

.

Mais que um choque, não conseguia racionalizar. A notícia começou a tremer o corpo inteiro, foi dada com cuidado, mas só produziu a desarmonia que ele levou para casa.


Tinha ficado mais de cinco dias no hospital fazendo exames, não sabia que existia tanto procedimento, tanta tecnologia para diagnosticar as doenças. Não sabia que os médicos se interessavam tanto por um paciente, que existiam tantos psicólogos, assistentes sociais e psiquiatras. Porque tinha aceitado se submeter àquilo, queria apenas ficar sozinho, não conviver com ninguém, não ter que conversar, que obedecer. Que merda, pensava.

Quase nada do que disseram entendeu, explicações demais. Médicos demais, reuniões demais. A única coisa clara era o que mais o desgostava, teria que viver sempre com alguém por perto, mesmo quando estivesse dormindo; nada de portas trancadas, foi a única recomendação. Nenhum procedimento era possível no caso, nenhum medicamento foi recomendado.

A pergunta do médico responsável chocou-o mais ainda. Poderia apresentar seu caso num congresso médico? Propunha-se a cuidar dele enquanto vivesse, se ficasse em observação para que o estudassem mais detalhadamente. Que absurdo, pensava.

Não sabiam explicar, mas no lugar do coração tinha o cérebro e no lugar do cérebro o coração. Se não pensasse, morreria na hora.

Quando chegou em casa. O telefone não parava de tocar; logo a campainha, e começaram a chegar os parentes, os amigos, repórteres querendo entrevista. Seu caso já estava em evidência na imprensa.

Era o caos.

E foi no meio desse caos que ele pensou muito e tomou a decisão: parou de pensar.

MQ
.

4 comentários:

  1. Genial de tão quase surreal, que nem parece nada mau ter as fontes de vida trocadas de lugar. Acho que você deu uma grande idéia ao Criador... rsrsr

    ResponderExcluir