sábado, 23 de janeiro de 2010

GUIMARÃES ROSA

.

GARGALHADA


Quando me disseste que não mais me amavas,
e que ias partir,
dura, precisa, bela e inabalável,
com a impassibilidade de um executor,
dilatou-se em mim o pavor das cavernas vazias...
Mas olhei-te bem nos olhos,
belos como o veludo das lagartas verdes,
e porque já houvesse lágrimas nos meus olhos,
tive pena de ti, de mim, de todos,
e me ri
da inutilidade das torturas predestinadas,
guardadas para nós, desde a treva das épocas,
quando a inexperiência dos Deuses
ainda não criara o mundo...

.

4 comentários:

  1. Não acredito em "torturas predestinadas", mas em alegrias e felicidades predestinadas. Nós é que ainda somos muito burros, quase burros predestinados.

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso!!!
    E eu acredito sim, nas torturas
    predestinadas. Sofro desse medo
    quase ancestral, 'desde a treva
    dos tempos'.

    Abraço carinhoso pra você e Márcia,
    que sinto saudade...

    ResponderExcluir